17 setembro 2018

Livro: A Estrada dá Tudo Que Você Precisa

A Estrada da Tudo que Você Precisa


Sinopse:

Desde o instante em que Rômulo Wolff e Mirella Rabelo abandonaram o universo corporativo, sabiam que, para ter sucesso, era preciso um ingrediente principal: compromisso. Eles decidiram se aventurar pelo mundo e, após centenas de milhares de quilômetros superados, criaram um modelo de negócio diferenciado. Depararam-se com inúmeros imprevistos, mas descobriram que, quando você entrega algo para a estrada, a estrada lhe retribui. Este foi o combustível que guiou o casal para o sucesso nos trabalhos que desenvolvem on-line. Com uma bagagem de mais de três anos viajando de carro pelo mundo, contabilizam histórias de superação, improvisação e empreendedorismo, agora compartilhadas nas páginas deste livro. Uma viagem que não tem fim.


Mirella e Rômulo começam o livro falando um pouco sobre suas vidas antes do projeto de viajar, com o que trabalhavam e como se conheceram. Depois contam como surgiu o Travel and Share e como foi conseguir os primeiros parceiros e a caminhonete (a Gallega) que viajam.

Eles fizeram uma primeira viagem a Venezuela como teste, depois saíram na viagem oficial rumo a Argentina onde iriam até o Alasca.

O nome do livro

Ainda na Argentina participaram de um encontro com mais de 300 viajantes e neste encontro conheceram Herman e Candelaria Zapp (um casal que vive a 16 anos viajando o mundo e teve seus 4 filhos nesse trajeto).

Quando Rômulo e Mirella comentaram com esse casal que estavam começando nessa empreitada e que estavam um pouco inseguros, Herman disse: Não se preocupem, "a estráda da tudo que você precisa", daí veio o nome do livro.

Curiosidade

Eles se hospedavam em casas de desconhecidos (conhecidos pelo aplicativo Couchsurfing) dessa forma conheceram muitas e muitas pessoas pelo caminho que acabavam se tornando amigos. No começo não era tão fácil mas as vezes conseguiam parceria com algum hotel ou coisa do tipo.

Narrativa do livro

Contam muito brevemente a passagem pelos países. A narrativa é superficial como se estivessem mandando uma mensagem ou uma carta breve para os amigos, contanto como foi a viagem.

Além disso eles falam um pouco sobre o negócio em si, como é necessário dedicação e muito trabalho como qualquer outro empreendimento.

Imagens da viagem

Uma coisa que gostei no livro, que apesar de ser breve os relatos, como eles filmaram tudo, você pode ver imagens das viagens no canal do youtube, por exemplo, eles contam no livro que além da fronteira com o Peru, outra fronteira que foi muito estressante (pessoas tentando extorqui-los de todos os lados) foi no caminho pela fronteira com a Nicarágua, em seguidas citam a passagem pela cidade de Granada que fizeram check-in em um bonito hotel, que em meio ao caos do país as vezes encontravam cidades como essa, organizadas e parecem cenários de filmes. Então fiquei curiosa pela cidade e fui pesquisar se tinha vídeo, claro, tinha, hehehe

Se quiser ver é este aqui.

No livro é como se descrevessem um pouco de tudo que acontece, como nos vídeos.

Mas quanto a imagem/ilustração no livro mesmo não há nenhuma, talvez porque isso encareceria muito a edição/ impressão do livro, em minha opinião podiam ter investido nisso, acredito que as imagens no livro deixaria a edição muito mais completa, bonita e atrativa. Masss... heheheh

Concluo

Sem mais delongas... Não é um livro aprofundado sobre viagens, não conhecerá muito sobre nenhum país ou cidade (este também não é o objetivo do livro), mas um pouco de cada lugar, algumas curiosidades do país, os perrengues e alegrias vividos por eles durante a viagem.

Ver a quantidade de nãos que levaram e mesmo assim não desistiram, não se desvalorizaram, continuaram buscando o sonho: acho que isso já vale a leitura.

Eu gosto de histórias reais (mesmo que curtas) então com certeza é um livro que indico. Em vários trechos lembrei da minha Eurotrip de um mês com a minha prima. Hehehe.

Qualquer viajante vai se identificar. Um livro levinho e rapidinho para quem gosta de histórias de viagens e principalmente pra quem acompanha o canal Travel and Share.

Travel and share


Mais uma leitura feita no kindle ❤ amo isso.

10 setembro 2018

Livro: O Conto da Aia

O Conto da Aia



Sabe aquele livro que você termina de ler e fica tipo assim SEM PALAVRAS, hehehe, assim é O Conta da Aia.
Sinopse:




Escrito em 1985, o romance distópico O conto da aia, da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump. Em meio a todo este burburinho, O conto da aia volta às prateleiras com nova capa, assinada pelo artista Laurindo Feliciano.

A narrativa


O livro é um típico clássico, daqueles que vai te entregando aos pouquinhos os acontecimentos, com muitos detalhes, o tipo de livro que precisa de um leitor já um pouco familiarizado com o estilo de escrita, ou pode achar um pouco estranho a primeira impressão.

É como se fosse um diário eu diria, ou como se a personagem fosse vivendo e descrevendo pra nós, ao mesmo tempo em que descreve seus pensamentos e lembranças.

Só a partir do capítulo 10 mais ou menos as coisas mais intrigantes começam a acontecer, isso não quer quiser que antes disso o livro não seja bom, particularmente gosto dessa "vagareza" das coisas.


Mas é só no capítulo 15 que de fato você deve ficar horrorizado, é aqui que começam as coisas mais bizarras que você poderia imaginar, começam a ser descritos os "sexos", onde Aia, Comandante e sua esposa fazem seus "trabalhos".

Essa parte definitivamente não tem como explicar aqui, -.-

Mas as Aias são as mulheres férteis, os Comandantes são os homens ricos com suas esposas não férteis. Então todo Comandante tem uma Aia em casa, para fazer um filho.

Contexto 


Nessa sociedade nenhuma vaidade é importante, então as mulheres nem os homens precisam sentir prazer, orgasmos foram abolidos.  Pra ter ideia, em um decreto das Esposas foi declarado que as Aias não pudessem usar nada de cremes e loções ou qualquer outra coisa do tipo, então a personagem principal Aia, guarda um pouco da margarina de comer para passar no rosto e nas mãos.

"Enquanto fizermos isso, passar manteiga em nossa pele para mantê-la macia, podemos acreditar que algum dia sairemos, que seremos tocadas de novo, com amor ou com desejo." Atwood, Margaret. O conto da aia

O livro é todo contato de forma que as coisas vão acontecendo no presente e ao mesmo tempo a personagem principal conta como era sua vida no passado, basicamente as coisas eram "normais" como para nós nos dias de hoje. Um belo dia o presidente foi morto, todo o congresso foi morto, acabaram com a constituição e criaram novas leis, como por exemplo, mulheres não poderiam mais possuir bens, a partir de então não teriam conta mais e seu dinheiro seria transferido para seus maridos ou parente mais próximo do sexo masculino. Além disso claro, as mulheres não poderiam mais trabalhar, afinal, agora elas seriam divididas em Aias, Marthas, Tias, Esposas de Comandante, sendo elas as férteis, as cuidadoras do lar, as orientadoras (vigias) das aias e as esposas não férteis dos caras ricos, respectivamente, além das outras divisões.

As mulheres perderam suas contas e seus empregos na mesma hora. Mas mais que isso perderam sua dignidade e humanidade.

Genialidade


Deixando um pouco a história preciso registrar a genialidade da autora, como ela conseguiu imaginar cada detalhe da história e fazer com que terminemos o livro com aquele maravilhoso pensamento: será que isso ou será que aquilo? São esses livros em minha opinião os mais instigantes, são como histórias reais (amo livros com histórias reais) você tem a imprevisibilidade das coisas, a dúvida, e mais que isso, a rara emoção de se apegar verdadeiramente a uma história, de se imaginar na pele de outra pessoa.

É isso, eu jamais saberia explicar ou descrever esse livro verdadeiramente à altura. Leia!